as recentes transformações urbanísticas em nossa cidade têm despertado o sono profundo de estruturas pretéritas. os projetos que advém para um futuro promissor, os quais carregam em si o empenho de suas mãos, agora realçam antigas composições subscritas no tecido da cidade. Desveladas ao tempo, à clareza do dia.

a cidade é verdadeira composição mutável, subordinada a corriqueiras intervenções e polivalente – um espaço de múltiplas funções – reorganizado a todo o tempo.

a cidade desenhada por nossas ideologias e ambicionada por nossos corações de penderá e muito da força de mudança que se carrega. o (re)conhecimento garantirá a liberdade capacitiva de remanejar as nossas cidades ao peso em que elas possam satisfazer nossas ambições. a transformação da cidade perfaz o entrecruzamento espaço–linguagem–homem, numa relação heterogênea e indissolúvel.

 

 

senhor cidadão

a importância histórica destes lugares está na memória e no sentimento de pertencimento coletivo, os projetos que contemplem o reconhecimento estarão sempre um passo adiante e paços à diante na democratização da cidade. espacializar o espaço urbano, tornar formal o leque das funções, atualizar o repertório dos usos implica projeções reciprocas entre pensamento ideológico e ação política. (elias, 1989).

 

uma antiga estrutura arquitetônica foi desvelada pelas escavações das obras de readequação do fundo de vale do ribeirão, ao qual a cidade se envolveu. a estrutura submersa a mais de dois metros de profundidade, em relação ao nível atual, resiste a pelo menos quarenta anos, desde as últimas intervenções urbanísticas realizadas nesta região. estando soterrada, permaneceu por todo este tempo intocada, no mesmo lugar onde, aqueles aos quais hoje subscrevemos, a instalaram para a suas necessidades. uma ponte boiadeira ou talvez uma passarela de passagem entre os dois lados da cidade?!

o reconhecimento público, poderia suscitar melhores discussões sobre o pertencimento e a projeção qualitativa da cidade. as reestruturações atuais servirão por talvez mais meio século e estas serão as nossas impressões no complexo palimpsesto da escritura urbana.